20 de dez de 2011

Volta das Chuvas e dos Desastres

Amigos,
          há muito não posto neste blog. Estive afastado estudando gestão de serviços de bombeiros este ano. Contudo, apesar de tudo que aprendi, fico ainda impressionado com a distância que existe entre a teoria e a prática. Os bombeiros miltares do Brasil, tirando raras exceções, brincam de ser bombeiros, dão um show de imcompetência administrativa e operacional e ainda se dizem os mais preparados para executar os serviços que lhes são de competência.
          Isso é constatado não soment epor mim, mas também pelo Governo Federal. Exemplo disso foi o discurso da Exmª Srª Presidente da República aos Oficiais-Generais das Forças Armadas Brasileiras, em almoço de contraternização realizado no Clube da Aeronáutica, em Brasília-DF, no dia 19 de dezembro de 2011, que pode ser acessado no endereço http://www2.planalto.gov.br/imprensa/discursos/discurso-da-presidenta-da-republica-dilma-rousseff-durante-almoco-de-confraternizacao-com-os-oficiais-generais-das-forcas-armadas-brasilia-df :
"[...] No futuro promissor que vislumbro para o Brasil, tenho certeza de que contaremos com o trabalho, a dedicação e o patriotismo de nossas Forças Armadas, seja nas atividades de defesa civil, quando se trata de resgatar brasileiros e brasileiras de problemas decorrentes de variações climáticas; seja também quando se trata de garantir a lei e a ordem em muitas regiões do nosso país; seja, sobretudo, quando se trata da política estratégica de fronteiras; mas também seja – como eu repeti anteriormente – no desenvolvimento científico e tecnológico do país.  [...]"
          O texto mostra declaradamente que os bombeiros militares sequer são lembrados nas ações do Governo Federal, e olha que anualmente o País é atingido por desastres, sejam eles naturais ou não. Começou a chover novamente. Outros brasileiros e brasileiras desprovidos de apoio do Estado e morando em áreas de risco irão morrer entre o final deste ano e março de 2012 na Região Sudeste do País. Entre abril e outubro de 2012 é a vez das Regiões Sul e Nordeste serem afetadas. As trajédias já são anunciadas. São desastres cíclicos e ocorrem todos os anos. O Estado sabe disso mas mesmo assim, de forma dolosa, agem como se fossem assassinos profissionais utilizando os interesses pessoais, o corporativismo de instituições, a morosidade da máquina estatal e o jogo político pervesro deste País como armas eficazes para matar brasileiros inocentes.
          Aí, o Governo Federal diz que só vai equipar as Forças Armadas para ações de defesa civil. Olha que esta nem é missão constitucional delas, mas sim dos bombeiros militares! A Secretaria Nacional de Defesa Civil está abandonada e abarrotada de POLICIAIS MILITARES e Oficiais das Forças Armadas, pessoal de instituições que nada têm a ver com o planejamneto e a gestão das atividades de Defesa Civil. As Polícias e as Forças Armadas devem ser somente massa de manobra logísitca composta por contingentes humanos e recursos materiais mobilizáveis no caso de ocorrência de desastres, para auxiliarem os bombeiros militares no cumprimento de sua missão constitucional

          O Brasil quer ser um país grande. Para isso, primeiro deve saber respeitar o espaço de todas as instituições e profissionais que nele existem. Mais mortes ocorrerão, por completo descaso dos Governos Federal, Estaduais e Municipais para com a saúde e a salubridade públicas e segurança dos brasileiros. Os bombeiros militares existem para cuidar disso e são esquecidos pelo próprio Estado a quem se subordinam.Concluo que esta grave deficiência dos bombeiros militares com o profissionalismo e completo descaso das corporações militares de bombeiros com o planejamento, principalmente o estratégico, para longo prazo, é culpa exclusiva do Estado Brasileiro em não investir sistemática e ininterruptamente na qualificação destes profissionais.

          Existem gerações de bombeiros militares mal preparados exercendo funções estratégicas de comando direção e estado-maior. O personalismo gerencial na maioria das vezes se sobressai em relação aos anseios institucionais e às necesidades da sociedade. Diante desta grave situação, os governantes se aproveitam para garfarem os já parcos orçamentos destas corporações, desviando para áreas menos prioritárias da União, dos Estados e dos Municípios. Esta é somente a ponta deste "iceberg" que flutua à deriva no oceano do Estado, prestes a atingir o "Titanic" da Sociedade Brasileira. 

           A profissão de bombeiro militar deveria ser uma das mais qualificadas deste país, qualificação esta que deve ser melhor que a das Forças Armadas, pois eles salvam vidas 24 horas por dia, 7 dias na semana e nos 365 dias do ano. Os bombeiros militares devem proteger a nação brasileira dos desastres naturais e tecnológicos e não o fazer pois são ínfimos os seus contingentes, mal equipados e mal preparados para tão importante missão. Digo além, ser bombeiro militar é missão para poucos, é mais que uma profissão, é um sacerdócio universal. Salvar vidas é tão difícil e complexo quanto salvar almas. A incompetência (no sentido lato da palavra, ou seja, falta de conhecimento) da maioria dos gestores das corporações militares de bombeiros do Brasil para a gestão é inaceitável, pois estes órgãos lidam diariamente com vidas e com a proteção do meio ambiente.

          Se estas corporações fossem  integradas, com sistemas de gestão, de ensino e pesquisa e operacional interconectados, sob a coordenação e fiscalização direta de uma Secretaria Nacional de Defesa Civil forte e diretamente subordinada à Presidência da República, tendo bombeiros militares qualificados exercendo a gestão do órgão em questão, digo que este seria o início do resgate das instituições e da profissão de bombeiro militar neste País e da melhoria incontestável do processo primordial de prevenção de desastres. Para isso não precisa alterar a Constituição tal como as soluções já apresentadas por mim em artigos anteriores. Isso se resolveria somente com um Decreto da Presidente da Republica! É inacraditável e deplorável esta situação!

Nenhum comentário:

Postar um comentário